Carregar Eventos

« Todos Eventos

  • Este evento já decorreu.

Curso breve, por Paulo Franchetti: “Papéis Perdidos – a publicação e a docência universitária”

Maio 16 @ 10:00 - 18:00

CartazEstBras-FranchettiImprensa

O curso está organizado em dois módulos:

Módulo I – Editoras universitárias: para que servem? O caso brasileiro: história e crítica da edição universitária no Brasil.

Este módulo inicia com a apresentação de um panorama histórico da edição universitária no Brasil, com especial atenção para as duas últimas décadas, quando destacadas casas editoras de grandes universidades ocuparam importante lugar no mercado de livros académicos, receberam dezenas de prémios e testaram várias combinações de três modelos básicos de financiamento e de gestão.

Na sequência, o foco da análise recai sobre a função e/ou justificativa da edição universitária, bem como sobre as aporias trazidas ao seu modo de funcionamento por conta não só da prevalência das formas eletrónicas de publicação (o caso dos clássicos digitalizados, bem como da difusão ilegal de cópias eletrónicas de livros e capítulos de livros), mas também por conta das diretrizes das agências de financiamento e dos gestores universitários quanto às formas de avaliar a produção de professores e estudantes de ensino superior.

Por fim, apresentam-se algumas considerações sobre o sentido geral da publicação de livros universitários, por meio da apresentação do volume “Inimigos da esperança – publicar, perecer e o eclipse da erudição” (2004), de Lindsay Waters. Nesse pequeno, porém muito instrutivo texto, o editor da Harvard University Press reflete sobre os impasses desse segmento editorial. Essa reflexão tem especial interesse para o caso brasileiro porque a forma de organização e avaliação da produção universitária americana tem sido no Brasil gradualmente adotada ou imposta, com consequências que constituirão o tema do segundo módulo deste seminário.

Módulo II– A questão do mérito nas ciências humanas (e não só)

Neste módulo são três as questões básicas a desenvolver. A primeira, mais relevante e não exclusiva das ciências humanas, é a transformação no escopo, no método e no alcance da reflexão e da escrita académica trazida pelas formas objetivas e quantitativas de avaliação da produção universitária. A segunda, que é um corolário da primeira, é a gradativa alteração no papel do académico, derivada também das formas de avaliação da “produção”, e da valorização direta ou indireta que elas acarretam para a função de “pesquisador” (mesmo em áreas nas quais “pesquisa” parece um termo muito pouco adequado para representar o trabalho efetivo de construção do conhecimento), em detrimento do papel tradicional do académico sênior, que era o de “professor”. A terceira, por fim, é uma reflexão sobre a erosão da auctoritasna área das Humanidades.

Um ponto a destacar, de grande relevância para a discussão seja do sentido da publicação académica, seja da atuação didática, e com fortes implicações na questão da avaliação, é a diferença radical entre a forma de organização tradicional e de produção de conhecimento entre as ciências aplicadas e as ciências humanas. Um dos principais pontos discutidos neste tópico é a forma como se processa a seleção, revisão por pares e atualização da bibliografia numa área como a da crítica literária ou a sociologia, por um lado, e como a da Química ou da Medicina, por outro.

Paulo Franchetti nasceu em Matão (SP) em 1954. Desde 1986 foi professor de Teoria Literária e Literaturas de Língua Portuguesa na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Doutorou-se pela Universidade de São Paulo em 1992. Ainda na UNICAMP, obteve por concurso público o título de Livre-Docente (1999) e, posteriormente, o de Professor Titular (2004). Aposentou-se, em 2015, continuando, porém, vinculado ao Instituto de Estudos da Linguagem como professor e orientador de pós-graduação. Integra o Conselho de Acompanhamento do programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura, da FLUC. Publicou, no Brasil, entre outros livros, os ensaios Alguns aspectos da teoria da poesia concreta(1989 – 4ª ed. 2012), Nostalgia, exílio e melancolia – leituras de Camilo Pessanha(2001), Estudos de literatura brasileira e portuguesa(2007) e, com Elza Taeko Doi, o volume Haikai – antologia e história(1990 – 4ª ed. 2012). Preparou, também no Brasil, para a Ateliê Editorial, edições comentadas (precedidas de ensaio sobre a estrutura e características de cada obra, bem como de análise estendida da tradição interpretativa) de O Primo Basílio(1998), Coração, cabeça e estômago(2003), Iracema(2007), A cidade e as serras(2007), Dom Casmurro(2008), Clepsidra(2009), O cortiço(2011). Em Portugal, publicou a edição crítica da Clepsydra, de Camilo Pessanha (1995); a antologia As aves que aqui gorjeiam – a poesia do Romantismo ao Simbolismo (2005) e o ensaio O essencial sobre Camilo Pessanha(2008). É também autor da novela O sangue dos dias transparentes(2003), da coletânea de haicais Oeste/Nishi(2008), do livro de sátiras Escarnho(2009) e dos livros de poemas Memória futura(2010) e Deste lugar (2012).

De maio de 2002 a maio de 2013, dirigiu a Editora da Unicamp e presidiu ao seu conselho editorial. Durante esse período, após completa reformulação académica, administrativa e comercial, a Editora da Unicamp foi premiada 7 vezes com o Prémio Jabuti e, em pesquisa realizada junto à comunidade artística e académica por um suplemento cultural de jornal de grande circulação, foi considerada a quarta mais importante editora do Brasil, no segmento público ou privado, no que toca ao interesse universitário do catálogo.

Design gráfico: Ana Sabino

Detalhes

Data:
Maio 16
Hora:
10:00 - 18:00
Evento Categoria:

Organizador

IEB, BGUC, IUC, Materialidades da Literatura

Local

BGUC
Largo da Porta Férrea
Coimbra, 3000-447 Coimbra Portugal
+ Mapa Google
Site:
https://www.uc.pt/bguc

Partilhar: